Laguna Cejar e Tevinquinche – Deserto do Atacama

Depois da vergonha do fim do passeio a Pukara de Quitor eu fiquei na dúvida se ia ter condições de fazer outro no mesmo dia, pois não sabia se o caminho até as lagunas oferecia algum esforço físico. Mas acabou que esse foi, sem dúvida, o melhor remédio pra minha indisposição.

Pouco antes das 16h já estávamos na agência prontos pra sair. Esse deve ser o passeio mais concorrido, pois de todos os que fizemos nesses quatro dias, foi o que estava mais cheio.

A primeira parada já é direto na Laguna Cejar, debaixo de um sol escaldante. De carro são cerca de 20min desde o centro de San Pedro até lá.

Laguna Cejar

Laguna Cejar [Foto: Wikipedia]

Como eu já havia dito no post Deserto do Atacama – Informações Importantes, esse é o único passeio que você deve fazer de chinelos, e não de tênis. As bordas das lagunas são de duras crostas de sal, que além de ficarem muitos quentes, são afiadas e podem cortar os pés.

As lagunas são enormes buracos de água bem verdinha com concentração de sal sete vezes maior que o mar (!), segundo o nosso guia, maior até que a do Mar Morto (não encontrei essa informação na internet para confirmar). É tão salgado que você sente cada arranhãozinho do seu corpo, porque começam a arder – até aqueles que você nem sabia da existência.

O diferencial dessas lagunas se dá justamente por esta razão, é que você simplesmente não consegue afundar. E isso causa uma sensação de relaxamento profunda, ainda mais depois de dias num deserto seco e escaldante. Só não se engane achando que vai se esbaldar mergulhando de cabeça na água. Existe um jeito todo especial para entrar: sentado e de costas, aos poucos, como um “siri”. Você não pode afundar a cabeça, nem bater os braços ou os pés, é só ficar boiando mesmo, curtindo a boa vida. Outro detalhe é o Licancabur de “pano de fundo”, numa visão quase panorâmica.

O mergulho na Laguna Cejar dura cerca de 45 min, não é recomendável ficar mais que isso. A nossa agência levava uma bomba de água doce para nos limpar depois do mergulho, mas notei que nem todas as outras faziam isso, então é melhor você se certificar antes e se necessário, levar água suficiente. Acredite, você vai precisar. Depois de seco, o sal gruda na pele e é totalmente palpável e visível, é como se você tivesse comprado 1 quilo de farinha no mercado e jogado todo em cima de você. A quantidade de sal é impressionante.

Salar de Atacama

Turista à Milanesa

De lá, seguimos para os Ojos del Salar. São mais duas crateras de águas verdes no meio do deserto, só que dessa vez, de águas doces. Oportunidade para quem ainda está cheio de sal se limpar. Nessa sim, você pode mergulhar, afundar, fazer pirueta, bater as pernas… Essa parada é mais rapidinha, é só dar uma mergulho e sair mesmo.

Ojos del Salar - Deserto do Atacama

Ojos del Salar – Deserto do Atacama

Enfim, seguimos para Tevinquinche (ou Tebinquinche). Essa sim, parece um mar enorme, lembra muito o Salar de Uyuni.

DSC0717

As águas daí vem do degelo das montanhas. Não há como mergulhar, pois as águas são muito rasas. É um espetáculo à parte. É uma imensidão branca, com o Licancabur ao fundo. Ótimo cenário para aquelas fotos em perspectiva.

Salar do Atacama

Salar do Atacama

Arrisco dizer que o pôr-do-sol lá é ainda mais deslumbrante que o do Valle de La Luna. Lá ficamos por algumas horas, soltos para explorar, fotografar e curtir aquele pôr-do-sol maravilhoso.

Laguna Tevinquinche - Deserto do Atacama

Laguna Tevinquinche – Deserto do Atacama

O passeio termina já de noite, com lanchinho e brinde de pisco sour oferecidos pela agência.

Esse passeio, em particular, é tão revigorante, que a volta para San Pedro foi em clima de festa, com todo mundo cantando e brincando super empolgados dentro do ônibus, como se fôssemos todos velhos amigos. Pra gente, além de tudo, foi em clima de nostalgia, pois era nossa despedida do Deserto do Atacama, já que ainda naquela madrugada partimos para a Bolívia, para conhecer o Salar de Uyuni. Com toda certeza, nossa viagem ao deserto mais árido do mundo foi fechada com chave de ouro.

Informações Importantes

Entrada: 2.000 pesos chilenos (jan/2013)

Leve toalha e se sua agência não oferecer, água para tirar o excesso de sal.

Leve um casaco, pois o passeio se estende até o inicio da noite e já começa a esfriar.

Abuse do protetor solar e dos óculos escuros.

Curiosidade

Aí que foi gravado o videoclipe da música Frozen, da Madonna.

Salar de Atacama

Laguna Tevinquinche – Deserto do Atacama
[Foto: Francesco Mocellin (Own work), Wikimidia Commons]

Anúncios

Comentários

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s